Tag Archives: marketing digital

7 Tendências do Marketing Digital para 2015

7 Tendências do Marketing Digital para 2015

Já é costume virar o ano e começar a fazer projecções do que se vai passar em 2015. Sendo a Páginas Amarelas, o principal directório de empresas portuguesas online e uma Agência que apresenta soluções de Marketing Digital para essas mesmas empresas, não podiamos deixar de fazer as nossas projecções de 2015 para o Mundo Online e isso quer dizer apenas uma coisa: quais vão ser as principais tendências de Marketing Digital em 2015?

Mais do que conjecturar, o importante é percebermos as tendências a nível global, pois eventualmente chegarão a Portugal, mas também a nível local, exactamente porque é importante focarmo-nos na realidade das empresas portuguesas e na sua presença na internet.

Então, e sem mais demoras, aqui ficam as 7 Tendências de Marketing Digital para 2015:

wereables e conexaoplataformas

1. Conexão de Plataformas

Com a diversificação e proliferação de diferentes tipos de dispositivos com acesso a internet vem uma nova mudança – a conexação destas diferentes plataformas. Preparem-se que agora é a sério:

  •  ‘Wereable tech’ – como por exemplo os relógios inteligentes que monitorizam actividade física, permitem fazer chamadas, aceder a mapas e ver o estado do tempo, mas o conceito pretende estender-se a outros acessórios, como pulseiras e até mesmo anéis.
  • Connected Cars’ O computador de bordo começa a ser um ponto de conexação cada vez maior com o exterior, através da sincronização com o smartphone e acesso a serviços cloud, que vão desde serviços com utilidade para a própria experiência automóvel, como postos e preços de gasolina, tráfego, notícias, e utilidades de puro entertenimento em viagem.
  • Smart TV’ – Aqui mora uma oportunidade de casar a televisão com jogos, vídeos e internet. Basicamente uma versão Híbrida da televisão, que permite um acesso integrado a conteúdo interactivo proveniente das diferentes plataformas. Com isto vem também a nova tendência – transmissão de conteúdos em Ultra HD e 4K.

 

mobile e pesquisa local

2. Mobile e a Pesquisa Local

A época é a da Febre  Mobile em que o ideal é aceder em movimento, seja com telemóveis ou tablets, e a tendência é,  citando o Google,  a ‘Internet of Me.

O imediato é cada vez mais imediato, tanto que as pesquisas tendem a querer respostas ainda mais para o momento.

Não só 1 em cada 5 pesquisas são locais, como a demanda de serviços de entregas gratuitas e no próprio dia cresceu, assim como a expectativa de suporte 24h em serviços de empresas online. Os Smartphones estão mais ‘espertos’ e os utilizadores exigem, ao mesmo ritmo, soluções  rápidas, fáceis e simples!

 

Big Data

3. Big Data ainda mais ‘Big’

A  noção da ‘Big Data’  já chegou a Portugal, mas provavelmente muitos nem a conhecem pelo nome. ‘Big Data’ é  um conjunto de dados ou informação cujas soluções se baseiam em 3Vs: Volumetria, Variabilidade e Velocidade. O desafio é a utilização e actualização desses dados a larga escala, em diversos tamanhos e formatos com o intuito de tratar essa informação e estabelecer objectivos com base na mesma.

Acrescentamos, porém, aqui um 4ºV: o Valor! O real valor da ‘Big Data’ depende das pessoas, processos e tecnologias por trás dela e muita da informação digital existente é criada de consumidores para consumidores, daí que as empresas tenham de analisar o target, os canais, seja email ou redes sociais, e formatos apropriados, mero powerpoint ou um filme em formato vídeo, para veicular a sua informação.

Basicamente o que temos a reter é o seguinte: cada empresa tem de perceber as suas limitações a nível de sistema de envio e armazenamento, as suas necessidades e os interesses dos seus clientes, para poder aplicar o melhor tipo de formato de grande informação e adequar o melhor canal para divulgar o mesmo, tendo em conta os 4Vs, de modo a obter conversão e informação credível para poder traçar novos objectivos.

 

marketing conteudo

4. Conteúdo – Quantidade vs Qualidade

Já todos ouvimos dizer que O Conteúdo é Rei ,mas este por vezes pode ser o Rei.. da sucata!

Cada vez mais há que trabalhar a qualidade de conteúdo, pois caso contrário, com o crescente focus dos  Marketeers e Agências de Marketing Digital em Marketing de conteúdo, quem não o faça vai ficar fora da corrida.

Além dos pontos chaves que já todos sabemos relacionados com SEO, com a relevância do conteúdo para o utilizador e com a credibilidade das fontes, existem pontos adicionais a ganhar  importância:

  • A originalidade de conteúdo – quando falamos de conteúdos inclui-se não só a criatividade da escrita, mas o seu ambiente envolvente, como o conteúdo reach media, tais como vídeos, imagens ou catálogos.
  • A integração de contéudos – o fluxo de conteúdos deve ser constante e deve-se traduzir nas várias plataformas de comunicação de uma empresa, desde o blog ao site e ainda nas páginas de redes sociais. Deve haver uma identidade coerente nas várias presenças e o envolvimento com o conteúdo deve ser conseguido em todas elas.
  • Identificação instantânea  -com tanta informação a circular na internet, o utilizador tem de se identificar com o conteúdo no primeiro instante. Isto significa que o conteúdo tem de ser relevante logo nas primeiras linhas. A identificação nem sempre é um benefício directo e comercial para o utilizador, mas uma emoção que provoque impacto na mente do consumidor.
  • A quantidade – por mais que a qualidade seja um factor de crescente importância para conseguir destaque, a quantidade não deixa de ter a sua importância e há uma necessidade crescente de ampliar o alcance dos conteúdos através de anúncios pagos, já que começa a haver uma sobre-lotação de alcance orgânico tanto nos motores de busca como nas redes sociais.

 

micro_targeting

5. Micro-targeting

Assim como existem diversos sectores de actividade, existem diversos consumidores desses diferentes sectores. Ou seja, nem toda a gente pesquisa pelo mesmo num motor de busca ou quer comprar os mesmos produtos. Daí que seja importante para uma empresa a definição de personas que representem os ‘clientes modelo’ do seu segmento de negócio. O focus em nichos específicos com interesse no seu serviço ou produto vai permitir a melhor adequação da comunicação e a angariação de novos clientes.

 

ublicidade online personalizada

6. Personalização da Publicidade Online

Assim como no marketing de conteúdo, as campanhas de publicidade online têm de primar cada vez mais pela originalidade e customização, caso contrário, o seu anúncio será apenas mais um num mar de anúncios. Para conseguir publicidade eficaz deve investir , ainda mais, em ferramentas de análise de tendências de pesquisa, intenção de compra, sazonabilidade e frequência de utilização de internet, assim como perceber o papel dos motores de pesquisa no processo de compra e o impacto visual dos anúncios.

O ideal é, além do investimento em maior diversidade de posicionamento e tipologia de anúncios,  ter mais que uma ideia e aplicar testes A/B, para perceber que erros evitar na publicidade online e que versões do seu anúncio conseguem maior taxa de cliques ou mais leads, conforme o seu objectivo.

 

redes sociais portugal

7. Desmistificação do Social

Em Portugal, o papel das  redes sociais  no mundo empresarial, até agora, baseou-se mais numa ‘crendice’ que qualquer outra coisa, mas as empresas começam a perceber a importância de não só estar nas redes sociais, mas em saber estar, valorizando uma gestão profissional e uma imagem credível.

Em 2015, as empresas que não quiserem investir numa boa estratégia de redes sociais não vão conseguir milagres. O efeito ‘agulha no palheiro’ que existia nos resultados orgânicos do Google, começa-se a espalhar ao mundo social, e qualquer empresa que apenas crie um perfil para servir de montra no facebook, não conseguirá qualquer tipo de visibilidade orgânica no feed de notícias, ou retorno, antes pelo contrário, ainda corre o risco de ter o seu perfil bloqueado e poderá ter um efeito negativo na mente do consumidor.

O ideal é ter à frente da gestão da sua presença nas redes sociais,  um Community Manager  com experiência. Por exemplo, no que toca ao Facebook é essencial um conhecimento real do algoritmo do Facebook,  das suas funcionalidade, do  gestor de anúncios e analytics do Facebook,  para que o mesmo consiga elaborar a melhorar estratégia para a sua empresa nesta rede social.

 

Um parceiro que acompanha o seu negócio nas tendências

Depois de todas estas projecções só resta fazer uma pergunta:  a sua empresa está a acompanhar as Tendências do Marketing Digital no mundo empresarial?

As Páginas Amarelas não só estão a par das Tendências de Marketing Online, como sabem aplicar o seu conhecimento a qualquer tipo de empresa portuguesa, nos mais diversos sectores.

Contacte-nos gratuitamente para destacar o seu negócio online e conseguir mais clientes!

Google AdWords: erros a evitar | Escolha de keywords

O que vem depois da criação de uma Campanha AdWords

No artigo anterior falámos dos passos principais para criar e começar a gerir campanhas AdWords. Mas a questão vai mais além, pois as campanhas não se gerem sozinhas, e é preciso tempo e conhecimento para conseguir gerir uma campanha AdWords correctamente.
Agora que está a fazer publicidade no Google tem a seu lado centenas, ou milhares, de concorrentes, da sua área de actividade e da sua região, a fazer o mesmo e que podem ganhar mais visibilidade, tráfego ou leads para o seu site, se estiverem a gerir melhor as campanhas que a sua empresa.

Só em Maio o Google.pt teve mais de 780 milhões de visitas – Como se pode destacar?

Sobretudo no que diz respeito a negócios locais, os utilizadores pesquisam por termos, cada vez mais específicos, e por localizações concretas, principalmente através de dispositivos móveis, logo é importante ser encontrado nas pesquisas que os portugueses fazem, relacionadas com a área de negócio.

Visto que a gestão incorrecta de Google Ads pode facilmente resultar no seu fracasso , o ideal é conseguir um parceiro com experiência para gerir os seus anúncios, para que consiga uma elevada relevância e um bom controlo de budget, pois tentar anunciar no Google sem qualidade de gestão é o mesmo que tentar colocar um mecânico como chef de cozinha sem nunca ter pegado numa colher de pau!

De modo a evitar estes falhanços vamos, neste e nos próximos artigos, enumerar os principais erros que devem ser evitados na gestão de campanhas Google AdWordss.

Hoje começamos pela fase anterior à criação de campanhas e gestão operacional.
Esta primeira fase inicia-se com a pesquisa e escolha de palavras-chave, passo determinante para o sucesso da campanha, pois se não forem escolhidas correctamente, podem de imediato influenciar negativamente o retorno ao seu investimento.

Erro #1 a evitar: Escolha Incorrecta do Palavras-Chave

erro#1 - keywords google adwords

As keywords são palavras-chave escolhidas por si, que representam as expressões mais relacionadas com o seu negócio, serviço ou produto e que vão fazer com que o seu anúncio apareça mediante a pesquisa dessas mesmas palavras. No entanto, existem vários tipos de palavras-chave:

  • Broad keyword, ou palavra-chave ampla;
  • Keyword phrases ou long tail, que são basicamente expressões;
  • Keywords com exact match, ou seja, de correspondência exacta;
  • keywords negativas

As palavras-chave curtas e genéricas, com elevados volumes de pesquisa muitas vezes são um engodo! Apesar de serem muito pesquisadas, nem sempre são relevantes para a sua actividade.

Como mencionámos é importante não dispersar o focus da área dade negócio em que actua, pois pode estar a deixar passar ao lado potenciais clientes.

Se possui uma empresa que actua num ramo específico numa área geográfica limitada, o melhor que pode fazer é dar uso a long tail keywords e keywords negativas.
O truque é saber compreender estas diferenças conforme o tipo de negócio, objectivo e o público-alvo, pois saber dominar esta escolha apropriada de palavras-chave pode possibilitar um maior retorno de investimento.

Exemplo: Uma loja que apenas vende bicicletas usadas no Porto
Long-tail keywords a utilizar: ‘venda de bicicletas usadas’ e ‘bicicletas usadas porto’
Keywords negativas a utilizar: ‘novas’ e ‘aluguer’
keywords demasiado genéricas: ‘venda’, ‘bicicleta’

Experiência profissional em Pesquisa e análise de Palavras-chave

A verdade é que a pesquisa e análise de keywords, ou palavras-chave, e a sua escolha para um anúncio de determinada campanha do Google AdWords requer conhecimento e experiência.

Por mais que pareça simples lançar palavras chaves no Keyword Planner, ou Planeador de Palavras chave, o desempenho da sua campanha vai depender de outros factores estratégicos.

Os pontos acima referidos são apenas guias base de boas práticas, mas na realidade existem técnicas ainda mais avançadas e detalhes mais específicos na produção de uma listagem de palavras-chaves.

Porquê ocupar o tempo precioso que necessita para o seu negócio a tentar gerir campanhas?

Deixe esta tarefa para um parceiro Premium Google AdWords de confiança – As Páginas Amarelas!

Fique conosco para o próximo artigo, em que vamos falar do 2º Erro a Evitar em Google AdWords: Escolha Incorrecta do Público-alvo!

 

Importância do PageRank e Erros a evitar em SEO

Tal como mencionámos nos últimos artigos de SEO, depois de listar as principais técnicas de SEO vamos agora desmistificar a importância do Pagerank do Google e apontar os principais erros que se devem evitar a nível de SEO, ou seja, nos artigos anteriores falámos dos “Do’s” e agora falaremos dos “Dont’s”!

Page Rank: qual a importância do Pagerank para o Google actualmente?

DEFINIÇÃO DE PAGERANK

Antes de falar do peso do PageRank vamos definir exatamente o que é este conceito: o PageRank é um algoritmo de análise de links que atribui um peso numérico a cada um dos elementos de um conjunto de documentos ou páginas hiperligados (com links entre si). Ao calcular esta métrica o Google define o quão particular uma determinada página de internet é através da importância qualitativa e quantitativa que atribui a estes links, o seu posicionamento, se são externos ou internos, visibilidade, entre outros.

Nos primeiros anos de existência do Google, o PageRank foi um dos principais fatores a afetar os resultados de pesquisa, mas com o passar do tempo, e sabendo desta mesma importância, os profissionais de web, ou webmasters, aperfeiçoaram técnicas de manipulação de estruturas de links internos ou de aquisição de links pagos vindos de páginas com PageRank elevada.

Para contrariar esta tendência o Google fez alterações ao seu algoritmo, alterando com isso a relevância do PageRank, que, não deixando de ser importante, passou a ser mais um entre os cerca de 200 parâmetros considerados no algoritmo do Google.

Assim há que reter 3 pontos importantes:

  1. Porquê o Pagerank para calcular Rankings? Os melhores resultados devem vir de fontes fidedignas, e aí entra o Pagerank que dá um determinado valor, numa escala de 1 a 10, consoante a qualidade/credibilidade de um domínio
  2. O Page Rank continua a ter importância para efeitos de SEO, pois se o número de links e a sua estrutura são factores considerados na qualidade do site, logo quão melhor for o Pagerank, mais facilmente as páginas serão indexadas no Google.
  3. O Page Rank não pode ser o único focus, ou o focus principal: se em cerca de 200 elementos apenas trabalharmos 1 a taxa de sucesso será pouco elevada. O SEO deve ser trabalhado tendo em conta todos os principais parâmetros do algoritmo do Google e não apenas 1.

Agora que já tirámos o elefante do Pagerank da sala vamos passar às outras divisões, ou seja, aos principais erros a evitar em SEO.

Erros a evitar em SEO

  • Conteúdo duplicado – copiar o conteúdo de outro site já existente ou ter diversas páginas com omesmoconteúdo não é considerada uma boa prática pelos motores de pesquisa e pode ser penalizante.
  • Sobrevalorizar o Pagerank pode levar aos erros cometidos anteriormente como tentar comprar links de páginas com um Pagerank elevado ou dar demasiado peso ao valor na escala do Pagerank e isto não vai trazer benefícios de SEO a longo prazo.
  • Black Hat SEO – “what you see is what you get” deve ser a máxima.
    • Evitar colocar texto ou links invisíveis (por exemplo, da cor do fundo para estar lá a keyword, mas escondida)
    • Cloaking e Doorway page – Camuflar o conteúdo real da página e utilizar redireccionamentos não autorizados
    • Keyword stuffing – O conteúdo das páginas deve ser sempre conteúdo de qualidade, espetar um monte de keywords sem nexo numa página não é uma boa estratégia de SEO
    • Excesso de Links – Link building como qualquer outra prática não deve ser efetuado em excesso, se tivermos cerca de 150 links internos ou externos criados num curto espaço de tempo em que metade deles são desnecessários a página pode ser penalizada.

E assim concluímos a nossa maratona SEO! Mas como gostamos sempre de deixar uma porta aberta ao conhecimento e expertise online para as empresas que pretendam estar no mercado online deixamos aqui alguns links de sites credíveis que estão sempre actualizados com as últimas novidades de SEO e Marketing para Motores de Busca.

http://www.seomoz.org/

http://searchengineland.com/

http://www.webseoanalytics.com/blog/

Nos próximos artigos vamos começar a explorar a publicidade em motores de pesquisa – Search Engine Advertising abreviado de SEA.

Se pretende saber mais sobre a nossa experiência em Marketing digital ou contactar connosco para mais informações vá a http://paginasamarelas.pai.pt/

Acompanhe também a nossa novidades na nossa página do facebook em https://www.facebook.com/paginasamarelas.pt