Tag Archives: publicidade online

Google Marketing Next 2017

O Futuro da Publicidade Online

Hoje é dia de partilhar consigo os highlights do Google Marketing Next 2017, que decorreu no final de maio em São Francisco (EUA).

O Google reuniu especialistas de marketing digital de todo o mundo e levantou o véu sobre o futuro da publicidade e dos seus produtos – AdWords, Doubleclick e Analytics – quando combinada com Inteligência Artificial, Machine Learning e Mobile trends.

Na Páginas Amarelas vamos testar as versões BETA de todas as inovações apresentadas durante o evento assim que estiverem disponíveis em Portugal, mas, para já, divulgamos as principais novidades que o Google apresentou.

TOP 11 Novidades do Google Marketing Next 2017

1. Reduzir tempo de carregamento para aumentar conversões

A introdução de Accelerated Mobile Pages (AMP) melhorou significativamente o tempo de carregamento de conteúdos e agora será possível utilizar AMP em Landing Pages de anúncios de  Search e Google Display Network.

1 a 10 segundos

2. Melhorar a segmentação do público-alvo

Será possível fazer o cruzamento de dados nas diferentes plataformas de forma a impactar públicos que já demonstraram interesse em determinada marca.

90% dos utilizadores de smartphone

3. Segmentação de audiência em Gmail Ads

A possibilidade de segmentar o público-alvo com base em padrões de consumo e “life events”, anteriormente anunciada para YouTube, será agora possível em Gmail Ads.

4. Acesso mais abrangente entre canais e dispositivos

O objetivo é impactar utilizadores com maior probabilidade de efetuar a compra.

6 em 10 utilizadores

5. Google Assistant

Com o aumento da pesquisa por voz, é importante tirar partido deste tipo de pesquisa e tornar os momentos de compra mais agradáveis e pessoais.

Pesquisa por voz

6. AdWords de “cara lavada”

O novo interface do Google Adwords irá permitir personalizar audiências de forma mais rápida e intuitiva, ao mesmo tempo que providenciará relatórios mais completos.

Interface AdWords

7. Google Optimize

Será mais fácil criar e testar versões de landing pages, de acordo com as especificidades de cada campanha.

8. Google Surveys 360º

Será mais fácil perceber o impacto dos anúncios através dos insights de quem os recebe.

Google Surveys

9. Novidades no YouTube

O You Tube vai integrar extensões de anúncios como a localização e visitas à loja. A segmentação também vai ser fortalecida com a possibilidade de definir segmentos do mercado através de padrões de consumo e life events.

10. Ferramentas avançadas de medição de vendas

Para além das visitas, também as vendas serão mapeadas.

11. Google Attribution & Attribution 360

Foi anunciada uma nova plataforma que cruzará dados de  AdWords, Analytics e DoubleClick que permitirá impactar o público-alvo de uma forma revolucionária.

Google Atribuition

 

Na Páginas Amarelas, estamos muito atentos para tirar partido destes upgrades nos produtos Google e, mais ainda, para ver de que forma podemos melhorar as campanhas dos nossos clientes.

Tal como fizemos no final de 2016, em que demos conta das novidades nos anúncios Google AdWords, iremos divulgar todas as novidades Google em primeira mão. Fique atento!

Não sabia que a Páginas Amarelas tem soluções de Google para a sua empresa? Saiba mais sobre as nossas soluções Google e destaque a sua empresa neste motor de busca.

A sua empresa está a tirar partido do Facebook?

A sua empresa está a tirar partido do Facebook?

6 erros que a sua empresa pode estar a cometer no facebook

Depois de apresentar as razões pelas quais as empresas devem estar nas Redes Sociais e perceber que em Portugal a rede social mais utilizada é o Facebook, vem o próximo passo: saber como a sua empresa deve estar e tirar partido dos benefícios desta rede social.

Por isso, neste artigo iremos apontar os principais erros que as empresas muitas vezes cometem no Facebook e, por outro lado, mostrar quais as boas práticas que irão ser determinantes para o sucesso do seu negócio nesta rede social, ao ter em conta uma estratégia combinada entre gestão de páginas e gestão de anúncios de Facebook.

Em Portugal, atualmente há 5,2 milhões de utilizadores ativos no Facebook e as empresas têm cada vez mais consciência que é aí que estão os seus clientes e potenciais clientes, apostando na sua presença nesta rede social. Mas, muitas vezes, pode não haver resultados ou retorno, o que pode ser consequência de erros gerados por falta de experiência ou de tempo para a Gestão de Redes Sociais.

Então, estará realmente a sua empresa a tirar partido do Facebook? Apresentamos-lhe a check-list dos erros mais comuns para testar se a sua empresa está adaptada à realidade ‘facebookiana’ empresarial!

6 erros mais comuns que as empresas cometem na sua presença no Facebook

#1 – Criação de Perfil Pessoal em vez de Página Empresarial

Por falta de conhecimento do tipo de páginas existentes, as empresas caem, muitas vezes, no erro de criar uma página de perfil em vez de uma página de empresa. Os perfis pessoais são, como o próprio nome indica, perfis de indivíduos e pessoas particulares, enquanto as páginas de empresas têm especificidades próprias, mais indicadas para os negócios.

#2 – Falta de Estratégia

Outro grande erro consiste na decisão de criar a página da sua empresa sem qualquer tipo de estratégia definida, tendo em conta os seus objetivos e público-alvo. Deve haver um plano de ação e interação com os utilizadores que contemple uma gestão combinada entre a presença orgânica (gestão de página empresarial no Facebook) e a presença paga (publicidade no Facebook).

#3 – Fraca Identidade Visual

A imagem transmitida no Facebook deve ser uma imagem de qualidade e coerente, refletindo a identidade da marca, por um lado, e conjugando, por outro, elementos ‘fun’ e que captem a atenção dos utilizadores: tipo de letra, tipo de cor, “visual storytelling”. Esta identidade visual deve igualmente estabelecer uma ligação lógica entre o grafismo e publicações da sua página e e os seus anúncios.

#4 – Discurso meramente comercial

Ao encarar o Facebook como mais um veículo de venda, muitas empresas acabam por cair no erro de divulgar apenas os seus produtos/serviços. O Facebook é uma rede social, logo o objetivo é… socializar! Primeiro temos de criar uma relação com os utilizadores. Se não partilharmos conteúdo de interesse relevante para estes, eles também não terão interesse em ver os nossos produtos ou serviços. É importante ter sempre presente na nossa mente a regra dos conteúdos comerciais vs. conteudos relevantes para o utilzador, em que o comercial nunca deve ser superior a 40% e o de interesse social nunca deve ser inferior a 60%. O conteúdo comercial também só será potenciado se for devidamente analisado. Se há posts que estão a gerar interesse no utilizador, as empresas deveriam amplificá-los e apostar em posts patrocinados.

#5 – Conteúdos desatualizados

Não basta criar uma página, há que alimentá-la e mantê-la viva. Muitas vezes, por falta de tempo e até de planeamento, muitas empresas acabam por não partilhar conteúdos com regularidade, fazendo a própria página cair no esquecimento. Se você próprio se esqueceu da sua página, acha que os utilizadores se vão lembrar que lá está? Comunicação em redes sociais é comunicação em tempo real! Ao contrário de um website, o ciclo de vida das publicações no Facebook é de horas.

#6 – Falta de interação com os fãs

Como dissemos anteriormente, deve ser construído um relacionamento com os utilizadores e, com isto, queremos dizer que deve haver interação com estes. Se alguém comenta algum post ou envia alguma mensagem, devemos responder com a máxima prontidão possível. Se um cliente fosse à sua loja e colocasse uma questão, ignorava-o? Não! No Facebook a sua postura deverá ser igual, aquele foi o meio de comunicação escolhido pelo utilizador para falar consigo. Se não tiver feedback, sentirá que a empresa não está preocupada com as suas opiniões ou necessidades, ou seja, não está interessada naquele “cliente”.

Gerir redes sociais não é fácil e exige um esforço e empenhos contínuos para conseguir usufruir das suas potencialidades. Se a sua empresa está a cometer um ou mais dos acima enumerados, isto significa que está a perder oportunidades de obter mais retorno e que deveria pensar em investir em especialistas para gerir a sua presença no Facebook.

Como não somos do tipo de ‘só apontar o dedo’, além dos erros apresentamo-vos as soluções. Encarem isto como um género de respostas certas às perguntas que erraram num teste.

Como pode o Facebook beneficiar o seu negócio?

#1 – Criar conteúdo otimizado para SMO e SEO

Smo, ou Social Media Optimization, consiste na otimização do conteúdo, tendo em conta o algoritmo da rede social em que se encontra, neste caso, otimização do conteúdo para o Facebook. SEO consiste exatamente no mesmo, mas para motores de busca, como o Google. Assim sendo, quando cria conteúdo tem de ter em conta, não só o tipo de conteúdo que o facebook mais valoriza para melhorar o seu ranking no feed de notícias como as palavras-chave que utiliza no título e informações da página, pois estas são indexadas pelos motores de busca. Só isto pode ajudar a aumentar significativamente o seu tráfego e exposição ao seu conteúdo.

#2 – Gerar tráfego para o seu website

Em outros artigos já falámos de SEO offpage e onpage. O Facebook é um ótimo veículo de SEO offpage, ao gerar backlinks nos posts orgânicos e também através de anúncios (Facebook Ads) que apontam para o seu site. Assim, não só ganha visitas no seu site, como sobe no ranking no Google, melhorando o SEO offpage.

#3 – Promover, Divulgar e Vender tudo num só local

Todas as funcionalidades do Facebook são como “terreno a desbravar”. Explore e aproveite todas as possibilidades de divulgar novidades, de suscitar o interesse dos utilizadores em conhecer mais sobre um produto, uma promoção, de participar num evento, de adquirir ofertas especiais. Mas, faça-o de forma integrada, aproveitando todos os seus recursos, como por exemplo a sua capa de página, com botão CTA (call-to-action), publicações orgânicas e anúncios de Facebook com diferentes objetivos. Entraremos em mais detalhes sobre cada uma destas funções nos próximos artigos, nos quais mostraremos com maior detalhe estas potencialidades tanto ao nível de gestão orgânica da página empresarial, como ao nível do tipo de anúncios de Facebook que deverá escolher consoante os seus objetivos.

#4 – Criar Apps Personalizadas para atingir os seus objetivos

Crie separadores personalizados (tabs) que vão ao encontro dos objetivos comerciais da sua empresa: subscrição de newsletters; divulgação de eventos; marcações online, ou desenvolva apps que o ajudem a criar passatempos, concursos, e até a vender online, com soluções de e-Commerce.

#5 – Alcançar o seu público-alvo

O Facebook, apesar de ser uma plataforma de massas, tem um trunfo sobre outras plataformas online – a sua elevada capacidade de segmentação. Qualquer que seja o seu setor de atividade, é possível filtrar a sua comunicação para o seu publico-alvo, tendo em conta o seu real interesse para o seu negocio. Não fale para o boneco nem desperdice investimento em publicidade pouco eficaz e vá ao encontro do seu target, através de publicações orgânicas para os utilizadores que já o seguem (atuais fãs), combinadas com gestão paga (Facebook Ads) para alcançar apenas quem possa ter interesse nos seus produtos e serviços.

Facebook empresas - erros e vantagens de gestão de página profissional

 

Concluindo, o Facebook é um mundo de possibilidades mas, a falta de tempo e dedicação para explorá-las podem levá-lo a cometer os erros atrás enumerados – não saber como criar uma página empresarial de sucesso nem como aproveitar os benefícios de uma gestão orgânica combinada com uma presença publicitária no Facebook. Possibilidades que abordaremos com maior pormenor nos próximos artigos.

Concluimos reforçando que, antes de pensar na sua estratégia no facebook, tem de pensar numa estratégia completa que abranja uma presença na web consolidada.
Então, pare e olhe para a sua presença online e veja se consegue responder a estas 3 questões positivamente: Tem um website profissional? Está-se a destacar da concorrência no Google? Precisa de trabalhar a relação com os seus clientes? Se ainda não conseguiu está na hora de conseguir. Conheça a solução completa a baixo custo que temos para a sua empresa!

soluções marketing digital _blog pa regressoasaulas

7 Tendências do Marketing Digital para 2015

7 Tendências do Marketing Digital para 2015

Já é costume virar o ano e começar a fazer projecções do que se vai passar em 2015. Sendo a Páginas Amarelas, o principal directório de empresas portuguesas online e uma Agência que apresenta soluções de Marketing Digital para essas mesmas empresas, não podiamos deixar de fazer as nossas projecções de 2015 para o Mundo Online e isso quer dizer apenas uma coisa: quais vão ser as principais tendências de Marketing Digital em 2015?

Mais do que conjecturar, o importante é percebermos as tendências a nível global, pois eventualmente chegarão a Portugal, mas também a nível local, exactamente porque é importante focarmo-nos na realidade das empresas portuguesas e na sua presença na internet.

Então, e sem mais demoras, aqui ficam as 7 Tendências de Marketing Digital para 2015:

wereables e conexaoplataformas

1. Conexão de Plataformas

Com a diversificação e proliferação de diferentes tipos de dispositivos com acesso a internet vem uma nova mudança – a conexação destas diferentes plataformas. Preparem-se que agora é a sério:

  •  ‘Wereable tech’ – como por exemplo os relógios inteligentes que monitorizam actividade física, permitem fazer chamadas, aceder a mapas e ver o estado do tempo, mas o conceito pretende estender-se a outros acessórios, como pulseiras e até mesmo anéis.
  • Connected Cars’ O computador de bordo começa a ser um ponto de conexação cada vez maior com o exterior, através da sincronização com o smartphone e acesso a serviços cloud, que vão desde serviços com utilidade para a própria experiência automóvel, como postos e preços de gasolina, tráfego, notícias, e utilidades de puro entertenimento em viagem.
  • Smart TV’ – Aqui mora uma oportunidade de casar a televisão com jogos, vídeos e internet. Basicamente uma versão Híbrida da televisão, que permite um acesso integrado a conteúdo interactivo proveniente das diferentes plataformas. Com isto vem também a nova tendência – transmissão de conteúdos em Ultra HD e 4K.

 

mobile e pesquisa local

2. Mobile e a Pesquisa Local

A época é a da Febre  Mobile em que o ideal é aceder em movimento, seja com telemóveis ou tablets, e a tendência é,  citando o Google,  a ‘Internet of Me.

O imediato é cada vez mais imediato, tanto que as pesquisas tendem a querer respostas ainda mais para o momento.

Não só 1 em cada 5 pesquisas são locais, como a demanda de serviços de entregas gratuitas e no próprio dia cresceu, assim como a expectativa de suporte 24h em serviços de empresas online. Os Smartphones estão mais ‘espertos’ e os utilizadores exigem, ao mesmo ritmo, soluções  rápidas, fáceis e simples!

 

Big Data

3. Big Data ainda mais ‘Big’

A  noção da ‘Big Data’  já chegou a Portugal, mas provavelmente muitos nem a conhecem pelo nome. ‘Big Data’ é  um conjunto de dados ou informação cujas soluções se baseiam em 3Vs: Volumetria, Variabilidade e Velocidade. O desafio é a utilização e actualização desses dados a larga escala, em diversos tamanhos e formatos com o intuito de tratar essa informação e estabelecer objectivos com base na mesma.

Acrescentamos, porém, aqui um 4ºV: o Valor! O real valor da ‘Big Data’ depende das pessoas, processos e tecnologias por trás dela e muita da informação digital existente é criada de consumidores para consumidores, daí que as empresas tenham de analisar o target, os canais, seja email ou redes sociais, e formatos apropriados, mero powerpoint ou um filme em formato vídeo, para veicular a sua informação.

Basicamente o que temos a reter é o seguinte: cada empresa tem de perceber as suas limitações a nível de sistema de envio e armazenamento, as suas necessidades e os interesses dos seus clientes, para poder aplicar o melhor tipo de formato de grande informação e adequar o melhor canal para divulgar o mesmo, tendo em conta os 4Vs, de modo a obter conversão e informação credível para poder traçar novos objectivos.

 

marketing conteudo

4. Conteúdo – Quantidade vs Qualidade

Já todos ouvimos dizer que O Conteúdo é Rei ,mas este por vezes pode ser o Rei.. da sucata!

Cada vez mais há que trabalhar a qualidade de conteúdo, pois caso contrário, com o crescente focus dos  Marketeers e Agências de Marketing Digital em Marketing de conteúdo, quem não o faça vai ficar fora da corrida.

Além dos pontos chaves que já todos sabemos relacionados com SEO, com a relevância do conteúdo para o utilizador e com a credibilidade das fontes, existem pontos adicionais a ganhar  importância:

  • A originalidade de conteúdo – quando falamos de conteúdos inclui-se não só a criatividade da escrita, mas o seu ambiente envolvente, como o conteúdo reach media, tais como vídeos, imagens ou catálogos.
  • A integração de contéudos – o fluxo de conteúdos deve ser constante e deve-se traduzir nas várias plataformas de comunicação de uma empresa, desde o blog ao site e ainda nas páginas de redes sociais. Deve haver uma identidade coerente nas várias presenças e o envolvimento com o conteúdo deve ser conseguido em todas elas.
  • Identificação instantânea  -com tanta informação a circular na internet, o utilizador tem de se identificar com o conteúdo no primeiro instante. Isto significa que o conteúdo tem de ser relevante logo nas primeiras linhas. A identificação nem sempre é um benefício directo e comercial para o utilizador, mas uma emoção que provoque impacto na mente do consumidor.
  • A quantidade – por mais que a qualidade seja um factor de crescente importância para conseguir destaque, a quantidade não deixa de ter a sua importância e há uma necessidade crescente de ampliar o alcance dos conteúdos através de anúncios pagos, já que começa a haver uma sobre-lotação de alcance orgânico tanto nos motores de busca como nas redes sociais.

 

micro_targeting

5. Micro-targeting

Assim como existem diversos sectores de actividade, existem diversos consumidores desses diferentes sectores. Ou seja, nem toda a gente pesquisa pelo mesmo num motor de busca ou quer comprar os mesmos produtos. Daí que seja importante para uma empresa a definição de personas que representem os ‘clientes modelo’ do seu segmento de negócio. O focus em nichos específicos com interesse no seu serviço ou produto vai permitir a melhor adequação da comunicação e a angariação de novos clientes.

 

ublicidade online personalizada

6. Personalização da Publicidade Online

Assim como no marketing de conteúdo, as campanhas de publicidade online têm de primar cada vez mais pela originalidade e customização, caso contrário, o seu anúncio será apenas mais um num mar de anúncios. Para conseguir publicidade eficaz deve investir , ainda mais, em ferramentas de análise de tendências de pesquisa, intenção de compra, sazonabilidade e frequência de utilização de internet, assim como perceber o papel dos motores de pesquisa no processo de compra e o impacto visual dos anúncios.

O ideal é, além do investimento em maior diversidade de posicionamento e tipologia de anúncios,  ter mais que uma ideia e aplicar testes A/B, para perceber que erros evitar na publicidade online e que versões do seu anúncio conseguem maior taxa de cliques ou mais leads, conforme o seu objectivo.

 

redes sociais portugal

7. Desmistificação do Social

Em Portugal, o papel das  redes sociais  no mundo empresarial, até agora, baseou-se mais numa ‘crendice’ que qualquer outra coisa, mas as empresas começam a perceber a importância de não só estar nas redes sociais, mas em saber estar, valorizando uma gestão profissional e uma imagem credível.

Em 2015, as empresas que não quiserem investir numa boa estratégia de redes sociais não vão conseguir milagres. O efeito ‘agulha no palheiro’ que existia nos resultados orgânicos do Google, começa-se a espalhar ao mundo social, e qualquer empresa que apenas crie um perfil para servir de montra no facebook, não conseguirá qualquer tipo de visibilidade orgânica no feed de notícias, ou retorno, antes pelo contrário, ainda corre o risco de ter o seu perfil bloqueado e poderá ter um efeito negativo na mente do consumidor.

O ideal é ter à frente da gestão da sua presença nas redes sociais,  um Community Manager  com experiência. Por exemplo, no que toca ao Facebook é essencial um conhecimento real do algoritmo do Facebook,  das suas funcionalidade, do  gestor de anúncios e analytics do Facebook,  para que o mesmo consiga elaborar a melhorar estratégia para a sua empresa nesta rede social.

 

Um parceiro que acompanha o seu negócio nas tendências

Depois de todas estas projecções só resta fazer uma pergunta:  a sua empresa está a acompanhar as Tendências do Marketing Digital no mundo empresarial?

As Páginas Amarelas não só estão a par das Tendências de Marketing Online, como sabem aplicar o seu conhecimento a qualquer tipo de empresa portuguesa, nos mais diversos sectores.

Contacte-nos gratuitamente para destacar o seu negócio online e conseguir mais clientes!

Google Adwords: erros a evitar | Escolha de Público-Alvo

Erro a evitar #2 – Escolha Incorrecta do Público Alvo 

GoogleAdWords_erro2_público-alvo

O primeiro erro a evitar que falámos no último artigo sobre a escolha de keywords incorrectas já está na sua checklist?

Pois bem, então passemos ao segundo passo, também ele de extrema importância, na criação de campanhas no Google AdWords: a segmentação do Público-Alvo.

Mais uma vez neste artigo vamos explorar os ‘Do’s and Dont’s’ para que não dê nenhum passo em falso na hora de definir o seu target.

Segmentar e definir o alcance do seu anúncio AdWords

Segmentação Geográfica

Ajustar as localizações ajuda-o a perceber que regiões realmente promovem mais tráfego para os seus anúncios e a relacionar as áreas geográficas com determinado produto ou serviço local. Mas esta segmentação tem de ser feita correctamente, caso contrário pode correr o risco de ter o efeito oposto, ou seja, se limitar demasiado a sua segmentação geográfica, ou até mesmo especificações baseadas em dados incorrectos, pode estar a prejudicar o desempenho da sua campanha.

Segmentação Demográfica

Pode sempre definir as características demográficas do seu público-alvo se as geográficas não forem suficientes. Mas atenção: isto apenas é possível para os anúncios de Display. Ou seja, os anúncios de pesquisa que estamos a falar não abrangem esta possibilidade.
De qualquer modo nunca é demais perceber a segmentação demográfica, mas esta requer um conhecimento correcto do target do seu negócio.

Por exemplo: se for vender produtos de bebés pode pensar à partida que o target principal seriam as mamãs, mas a verdade é que se apenas escolher mulheres entre os 18-40 anos de idade, por exemplo, pode estar a deixar de parte um target qualificado: os avós, pais e amigos da mãe que possam querer comprar produtos de bebé para oferta.

Se tem um anúncio limitado geograficamente ou demograficamente deve ter tudo isto em conta na altura de escolher o seu público alvo e a sua localização geográfica. Até mesmo o idioma tem bastante relevância.

Para quê vender vestidos de noivas a homens, fazer take-away do seu restaurante no Porto a quem está nas ilhas ou ter anúncios em português para um público chinês?

Alcance dos seus anúncios

O seu target vai decidir todo o alcance dos anúncios da sua campanha adwords.
Não se preocupe em diminuir o seu alcance, desde que esteja a chegar a um público-alvo relevante que lhe vai trazer retorno, caso contrário, se não for realmente relevante, poderá estar a desperdicar cliques valiosos. Aliás, compreender o alcance dos anúncios é essencial, uma vez que este permite-lhe estabelecer uma comparação do tráfego gerado por utilizadores por área geográfica, e isso é importante para perceber disparidades e para verificar se segmentou as áreas correctamente.

Como garantir que estes erros não acontecem numa campanha AdWords?

Existem mais de 6,7 milhões de internautas em Portugal e a tendência é que este número aumente nos próximos anos. Com tanto por onde escolher, torna-se complicado para pequenas e médias empresas dedicarem-se ao mundo online de um modo focado e constante. Por isso a solução passa por encontrar um parceiro de confiança.

As Páginas Amarelas têm mais de 13.000 campanhas Google AdWords de clientes que sabem que conhecemos bem o negócio da publicidade online para PME’s.
Temos uma experiência de mais de 5 anos, a segmentar correctamente públicos-alvos para todo o tipo de negócio, visto que só no nosso directório online temos mais de 1200 áreas de actividade!

Para saber mais envie um email para pa@paginasamarelas.pt ou ligue gratuitamente para o nosso serviço a clientes!

 Não perca o próximo artigo com o  Erro a Evitar #3: Grupos não categorizados!

Fonte de estatísticas:
 Barómetro Netsonda 2013
 Páginas Amarelas

Google AdWords em Portugal: destaque a sua empresa online!

Google AdWords em Portugal: As PME’s portuguesas em destaque online!

Não é de hoje que dizemos que o SEA (Search Engine Advertising) ou publicidade para motores de busca é importante para qualquer empresa que se queira lançar no mundo online. Também não é de hoje que dizemos que o principal motor de pesquisa é o Google e que é nele que devemos considerar destacar-nos antes de em qualquer outro. Por estas, e outras razões, é que o nosso artigo de hoje se vai focar exactamente na ferramenta do Google de publicidade online: O Google AdWords!

Mais que apenas explicar como funciona o Google AdWords, vamos focar-nos na importância da publicidade online em Portugal. Isto porque é preciso elucidar as empresas nacionais da importância crescente de anunciar e aparecer no Google. E como é obvio não vamos  deixar sem resposta as perguntas frequentes que já estamos habituados e que são feitas por qualquer empresa que saiba gerir um negócio.

Dicas fundamentais para começar  a fazer publicidade no Google AdWords

Google AdWords: O que é?

Se quer saber como anunciar no Google a resposta é simples: através do Google AdWords.

Se quer saber onde deve anunciar em toda a rede Google a resposta é mais complexa.

sea_searchengineadvertising_googleadwords

O Adwords permite que os seus anúncios sejam apresentados numa rede bastante alargada, dependendo dos tipos de publicidade que pretende incluir na sua estratégia de publicidade online:

  • Anúncios de texto  no motor de pesquisa do Google
  • Anúncios de display na Google Network
  • Anúncios de Texto+ Display

E mesmo dentro de algumas destas opções, podemos segmentar ainda mais a sua audiência, especificando categorias ou actividades, limitando demograficamente ou ainda criando campanhas de remarketing ou mesmo específicas para telemóveis.  As possibilidades são muitas!

Mas vamos exemplificar:

Suponhamos que tem uma loja roupa de bebé – faz sentido que tenha anúncios a a aparecer em sites que falam de roupa de bebé, tais como foruns, blogs ou outros sites e portais que estejam dentro deste contexto – isto garante que está a mostrar os seus produtos a quem já demonstrou interesse neles.

Depois de  escolher onde quer colocar os seus anúncios online consolidar a sua estratégia definindo objectos e Budget para poder começar a pensar em criar campanhas:

  • Objectivos – quais os produtos os serviços que quer publicitar e porquê? A quem se deve dirigir a campanha? O que quer como resultado destas campanhas – tráfego? Leads? Notoriedade? Vendas?
  • Budget – que orçamento tenho? Quanto quero gastar em anúncios adwords?

 

Google AdWords: Como funciona?

É  fundamental saber funcionar com as ferramentas necessárias para definir as suas campanhas adwords. Para isso há que saber o ABC do Google AdWords e os passos essenciais para a criação de boas campanhas:

pesquisa_palavras chave keyword plannerKeyword research  – dentro do Google AdWords existe uma ferramenta de pesquisa de palavras-chave, o Keyword Planner (anteriormente chamado keyword tool). Aqui deve eleger as principais palavras pelas quais quer ser encontrado quando algum potencial cliente pesquisar pela sua área de actividade e que devem figurar nos seus grupos de anúncios.

keyword_research_googleadwords

gestao de campanhas adwordsCriação de Campanhas – segundo ponto essencial da parte operacional – aqui vai aplicar o que definiu de objectivos conjuntamente com as palavras-chaves escolhidas e fazer os grupos de anúncios que pretende que existam para a sua campanha ou campanhas.

monitorizar resultados campanhas adwordsMonitorização das Campanhas – é essencial medir o desempenho e ver se as campanhas efectuadas estão a resultar ou se é necessário alterar algum grupo de keywords para melhorar os seus resultados ou diminuir os seus custos

 

Google AdWords: Quanto Custa?

adwords_custosA pergunta à qual todos querem saber a resposta!

O Google AdWords funciona por um método de bidding, ou licitação. O custo é por clique (CPC), logo, o pagamento é também por clique, (PPC).  Pode fazer um tipo de licitação manual, onde controla melhor os limites do seus custos, definindo CPC’s máximos  e  manipulando lances ao nível do grupo ou keywords; ou por licitação automática, definindo apenas um orçamento diário médio onde também é possível definir um custo por clique máximo.

A fase de research de keywords que falámos anteriormente, já vai ajudá-lo a ter uma noção de quanto dos CPC’s médios estimados para as keywords escolhidas.

 

Quando as noções básicas não bastam é preciso um parceiro de confiança

O mundo do Google é gigante, e quando lidamos com gigantes apenas com noções básicas do seu funcionamento as coisas podem não funcionar do melhor modo. Por isso, e já atencipando essas questões, o Google fez parcerias locais, com empresas que percebem como funciona o mercado local, sobretudo a nível online.  A empresa Páginas Amarelas é um desses parceiros de confiança!

A verdade é que quando pensamos em redes de display ou comportamentos de pesquisa, temos de pensar localmente e regionalmente. A realidade empresarial de Portugal é diferente de outros países, e a realidade empresarial online ainda mais. Por isso é importante pensar em estratégias localizadas que beneficiem as pequenas e médias empresas e que sejam segmentadas para o público-alvo local adequado.

Dito isto, é importante as empresas perceberem exactamente como funciona o marketing digital e a publicidade online, mas sobretudo que conheçam empresas que saibam fazer publicidade online em Portugal.

A Páginas Amarelas é Parceiro Premium do Google AdWords para PMEs desde 2011. Ainda acha que precisa de procurar mais?

Encontre mais informações sobre as nossas soluções de marketing digital ou ligue grátis para o nosso serviço a clientes!

No próximo artigo vamos falar novamente de SEA, publicidade para motores de busca, e do Google AdWords, mas do ponto de vista negativo, ou seja – possíveis erros que se devem evitar numa gestão de campanhas adwords!